Para adquirir nossos folhetos e demais materiais para palestras







Movimento em Defesa da Vida da Arquidiocese do Rio de Janeiro
Notícias

Programa Nacional de Direitos Humanos

A Igreja tem criticado o Terceiro Programa Nacional de Direitos Humanos, que inclui temas como a regulamentação do aborto, a regulamentação do casamento de pessoas do mesmo sexo, a regulamentação da prostituição, e a proibição do uso de símbolos religiosos em locais públicos.

Outras críticas ao Programa: o fim da propriedade privada e do agronegócio, o fim da liberdade de imprensa e a volta da censura, entre outras.

Se nos detivermos apenas na questão da descriminalização do aborto, perguntamos: o que é que a legalização do aborto tem a ver com os direitos humanos quando, na verdade, o abortamento provocado é a total negação do direito à vida, o mais fundamental de todos os direitos humanos?

Legalizar o aborto tornaria a mulher dona do próprio corpo? Mas o corpo do bebê não pertence a ela! Acabaria com a clandestinidade do aborto? Então fechem as “clínicas” que insistem em afrontar a lei! Diminuiria a mortalidade materna? Por que o governo não investe mais na assistência pré-natal?



voltar à página Notícias

Ser contra o abortamento provocado de bebês no ventre materno é uma questão ética, já que todos os seres humanos, independentemente da sua idade, ou de qualquer outra condição, têm a mesma dignidade de pessoa humana. É também uma questão científica, visto que há décadas a Ciência afirma que a vida humana começa no momento da concepção, com a primeira célula, o zigoto. É, ainda, uma questão jurídica, uma vez que todo ser humano tem, como o primeiro dos direitos, o direito natural à vida, da concepção até a morte natural. Finalmente, é uma questão também religiosa porque cada um de nós tem, acima de tudo, a dignidade sobrenatural de filho ou filha de Deus.