Para adquirir nossos folhetos e demais materiais para palestras







Movimento em Defesa da Vida da Arquidiocese do Rio de Janeiro

                                 

DOM ANTONIO AUGUSTO DIAS DUARTE
Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro

 

Rio de Janeiro, 08 de outubro de 2009.

Dia do Nascituro

O caráter gratuito da vida humana, dom valioso para a pessoa humana e para a humanidade inteira, está reclamando o seu reconhecimento devido por todos os povos do planeta.

A mídia mundial tem registrado nos diversos continentes, independentemente das condições econômicas e sociais, o florescimento de uma cultura de valorização da vida em todos os seus aspectos. Uma nova consciência ecológica ver surgindo no mundo, despertando as nações para a urgente necessidade de preservação da natureza, e graças à visão de futuro de muita gente várias medidas vem sendo tomadas e merecem ser conhecidas e difundidas, como, de fato, vem fazendo a televisão, o cinema, a internet e os jornais.

O Dia do Nascituro é uma das datas anualmente celebrada e que emerge desses homens e mulheres de visão aberta e otimista, e aqui na Cidade Maravilhosa, essa comemoração demonstra a presença de uma consciência mais madura a respeito do significado da vida humana e da sua defesa corajosa.

Quem considerar a vida do embrião, do feto, do bebê, da criança, do adolescente, do adulto, do idoso e do doente incurável ou terminal – todas essas etapas vitais sem maiores especificações a não ser a vida humana gratuita, dom de Deus – saberá assumir a única atitude positiva e socialmente eficaz: valorizar de forma singular todos os momentos pelos quais a pessoa humana, especialmente aqueles onde ela vive frágil e indefensa.

Conclamo a todos os que tiverem conhecimento dessa mensagem a viverem o Dia do Nascituro como uma Jornada de gratidão e de alegria porque vivem, porque tem saúde, porque são capazes de andar, de ver, de escutar, de falar, de sorrir, de sentir, de dialogar, de comer.

Quantas pessoas ao nosso lado não tem essas capacidades e o que é mais grave e doloroso, a quantos milhões de seres humanos, nas suas distintas etapas da vida, lhes foram negadas essas vivências singulares e preciosas.

Embriões congelados; abortos impiedosos; substâncias anticoncepcionais; preservativos; eutanásia; ineficazes políticas sociais, de educação e de saúde que atrofiam o ser humano, quando não o matam; violência urbana; alcoolismo; drogas; sexo desenfreado; carência e/ou abundância de bens materiais... e outros tantos atentados contra a vida, financiados e legitimados, vão contra este florescimento de uma cultura da vida, que parte da certeza de que ela é o maior dom gratuito recebido de Deus.

Agradecer e alegrar-nos, defender e promover, amar e respeitar a pessoa viva; acolher e investir na pessoa com deficiências de todo o tipo; afirmar e difundir o valor e a inviolabilidade da vida humana desde a sua concepção até a sua morte natural; ser autores dessa viragem cultural a favor da vida, especialmente as mulheres, pois elas são as maiores interessadas na verdadeira ecologia humana, as principais defensoras de um feminismo sem imitações nem competições. Todas essas atitudes resumem as respostas que o Dia do Nascituro pode dar àqueles e àquelas que pretendem converter o ser humano num produto descartável.

A família brasileira, por tradição cultural e por experiência secular, rejeita todos os atentados contra a vida das mulheres e dos seus filhos.

O povo brasileiro é um povo de paz e não de guerra, está a favor da vida, pois sabe que ser brasileiro é ser um patrimônio para o nosso país e para os países que acolhem brasileiros(as) que neles vão estudar e viver.

Os cariocas vivem sob os braços do Cristo Redentor, estátua que simboliza o único Amor da Vida, Aquele que transmitiu para a humanidade inteira a mensagem da alegria que se experimenta no nascimento de qualquer criança.

Que dessa Cidade Maravilhosa se ouça a eloquente frase de Jesus Cristo: “Eu vim para que tenham vida, e a tenham em abundância” (Jo 10,10)

Dom Antônio Augusto Dias Duarte
Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro

 

        voltar à página Notícias

Ser contra o abortamento provocado de bebês no ventre materno é uma questão ética, já que todos os seres humanos, independentemente da sua idade, ou de qualquer outra condição, têm a mesma dignidade de pessoa humana. É também uma questão científica, visto que há décadas a Ciência afirma que a vida humana começa no momento da concepção, com a primeira célula, o zigoto. É, ainda, uma questão jurídica, uma vez que todo ser humano tem, como o primeiro dos direitos, o direito natural à vida, da concepção até a morte natural. Finalmente, é uma questão também religiosa porque cada um de nós tem, acima de tudo, a dignidade sobrenatural de filho ou filha de Deus.